Conheça as vantagens do programa e saiba como ele funciona

Ter a casa própria e sair do aluguel é o sonho de muitas famílias que já estão construídas ou que estão se formando agora. Mas um grande impasse costuma atrapalhar esse sonho: a renda. Nem sempre a entrada de um imóvel é viável para quem ganha pouco mais que um salário mínimo. As despesas e necessidades essenciais parecem acabar com o dinheiro no final do mês e acumular o valor fica sendo quase impossível. Pensando nisso, o Governo Federal em parceria com a Caixa lançou há algum tempo o programa “Minha casa, minha vida”. Você certamente já ouviu falar nesse programa, mas ainda não sabe como funciona, certo? Este artigo vai esclarecer as principais dúvidas para você!

O que é o “Minha casa, minha vida”

Ligado a Política de Governo Habitacional, o programa social “Minha casa, minha vida” foi lançado no ano de 2009 no Brasil. Quase dez anos depois de sua criação, o programa sofreu algumas alterações no governo Temer, mas nada muito significativo. O objetivo principal da iniciativa é dar acesso a casas e apartamentos para às famílias com uma dada renda mínimo. Os benefícios dependem do quanto a família ganha, podendo variar em descontos no financiamento, nas parcelas entre outros.
Em sua primeira fase, o programa contemplou cerca de 1 milhão de moradias, beneficiando muitas famílias na conquista do financiamento da casa própria. O objetivo é de que até o final de 2018, o programa tenha construído cerca de 2,6 milhões de casas e apartamentos, que serão de acesso facilitado a população necessitada.

Para participar do “Minha casa, minha vida”

Com esse programa é possível que você financie ou mesmo compre imóveis novos na área urbana ou que adquira construção ou reformas na área urbana e na área rural. Para participar do programa você deve se adequar em uma das categorias. Veja quais são elas e quais são suas exigências:

Faixa 1
Quem pode participar: para estar na faixa 1 é necessário que as famílias tenham renda de até R$ 1.800,00 reais mensais.
O que é oferecido: financiamento do imóvel em até 120 meses (10 anos). Para pagar esse financiamento as prestações vão de no mínimo R$ 80,00 até o máximo de R$ 270,00. Quem define isso é a própria Caixa, de acordo com o valor da renda bruta mensal familiar.

Faixa 1,5
Quem pode participar: para se enquadrar nessa faixa do programa “Minha casa, minha vida” as famílias devem ter a renda mensal de até R$ 2.600,00 reais mensais.
O que é oferecido: os imóveis adquiridos por essas famílias terão a taxa de juros de até 5% (anual) e o período para pagar subsídios de até 47,5 mil reais é de 360 meses (30 anos).

Faixa 2
Quem pode participar: famílias que tenham a renda bruta mensal de até R$ 4.000,00 reais.
O que é oferecido: subsídios de até R$ 29.000,00, que podem ser para comprar um imóvel novo, na planta, terreno ou para construir a casa que deseja. O período para pagar também é de 30 anos.

Faixa 3
Quem pode participar: na última faixa do programa as famílias contempladas devem ter renda bruta mensal de até R$ 7.000,00 reais.

O que é oferecido: a vantagem é nas taxas de juros que são diferenciadas em relação as disponíveis hoje no mercado.
Se você se interesse, e se enquadra em algumas dessas faixas procure uma agência da Caixa Econômica Federal e informe-se de como pode participar do programa. Há também alguns feirões que são promovidos pela Caixa e costumam ter propostas que valem a pena serem analisadas. Fique atento a este calendário.

Vantagens do programa “Minha casa, Minha vida”

Agora você deve estar se perguntando quais são as vantagens desse programa, correto? Mostramos algumas delas para você:

Conquista da casa própria: finalmente você pode conseguir ter a sua casa como sempre sonhou e ficar longe dos aluguéis que são pagos, mas não são investidos. Com o financiamento, você paga um valor mensal sabendo que está cada vez mais comprando uma parte do seu imóvel.

Facilidades no pagamento: juros reduzidos, financiamento a longo prazo e valores que cabem no seu bolso. Com tudo isso fica mais fácil comprar pelo programa do que no mercado imobiliário convencional.

Utilização dos recursos do FGTS: caso seja autorizado pela Caixa, você também pode usar os recursos que tem no Fundo de Garantia para financiar seu imóvel. O que já facilita bastante na hora de saber que há um valor guardado para os primeiros pagamentos.

Segurança em caso de desemprego: você conseguiu finalmente conquistar um financiamento pelo programa, mas de repente fica desempregado! Como fará então com o pagamento das prestações obrigatórias todos os meses? Calma, nesse caso você não perderá tudo o que pagou ou o imóvel. Para esses casos, é disponibilizado o Fundo Garantidor de Habitação Popular (FGHab), onde o valor das parcelas do financiamento são pagas para você e quando você voltar a ter um emprego deverá pagar esse valor, que será adicionado ao financiamento. Mas, o FGHab dura somente por até 3 anos. Consulte a agência da Caixa para saber um pouco mais sobre quem pode participar deste programa.

Por todas essas razões, o programa “Minha casa, minha vida” é um dos mais bem-sucedidos do governo e vem, ao longo do tempo, construindo o sonho de milhares de pessoas que almejam tanto ter a casa própria, mas diante de seus salários ou renda mensal consideram isso quase impossível. Com essa iniciativa do governo federal é possível, mesmo com pouco financiar e no futuro pode ter um cantinho para chamar de seu!

Você gostou dessas informações sobre o Programa minha casa, minha vida? Curte, comenta e compartilha a experiência com outras pessoas!

Acompanhe também o artigo onde vamos falar sobre o Mercado Imobiliário 2018!

Leia também

Qual o tamanho ideal para Miniaturas de Imagens no Youtube?

O Youtube é incrível. Desde sua origem, ganha evoluções contantes em sua plataforma. No mo…